FALE CONOSCO: (21) 999691616

separador-header.png

 

Feminismos e Agroecologia que Alimentam
e Nutrem Transformações Sociais

 

Feminismos y Agroecología que alimentan y
nutren las transformaciones sociales

 

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Islandia e  Vivian.png

Ementa
 

A teologia bíblica essencialmente é a interpretação da mensagem do Criador para a humanidade. A ciência essencialmente a interpretação dos “caminhos” da criação em si, inclusive da humanidade, visando ultimamente o seu bem-estar. Qual é a relação
entre estes dois paradigmas e como podem ou não corroborar para a realização tanto da humanidade como de toda a criação. Especificamente, qual é a relação entre mudanças climáticas e o descuido do planeta em si e a saúde e bem-estar da humanidade. Finalmente, qual é a missão da igreja nesta tarefa?

Sobre el curso

 

La propuesta es trabajar definiciones y concepciones teóricas, pero también con aplicabilidad en la vida cotidiana sobre los siguientes temas: género, agroecología, alimentación y nutrición. Al mismo tiempo, brindar espacios para el debate sobre el surgimiento del pensamiento sobre nuevas formas de resistencia descolonial dentro del movimiento agroecológico ante la intensificación de los conflictos raciales y socioambientales que han afectado directamente a Brasil y América Latina en los últimos años.

 

 

Objetivos do Curso

 

1) Que aprofundem seus conhecimentos acerca da concepção de gênero enquanto representações sociais específicas, porém que criam sujeitos/sujeitas/sujeites políticos no mundo e reações que fortalecem as estruturais para normatizar a aceitação de apenas dois espaços possíveis: homem e mulher.

 

2) Que possam apreender sobre o conceito de mulher como categoria e como tal categorização implica em um papel social restrito e fixo na sociedade, considerando, por exemplo, a prática cotidiana do cuidar da alimentação e nutrição da família.

 

3) Debater sobre como as estruturas que são responsáveis pela construção do estereótipo das mulheres como seres inferiores e como tal ideia impacta diretamente sobre a vida cotidiana: menores oportunidades de salário sobrecarga de trabalho, abandono parental, violência contra mulher.

 

4) Compreender o que é interseccionalidade e como essa perspectiva nos ajuda entender melhor a vida das mulheres rurais, sobretudo no campo da Ciência Agroecológica.

 

5) Compreender sobre o que é racismo e como essa estrutura impacta sobre a vida das mulheres não brancas na sociedade atual (urbanas e rurais), trazendo a dimensão do cuidar, alimentar e nutrir a si mesma e aos demais membros e membras da família.

 

6) Debater sobre feminismos, o que é (ou que são) agroecologia (s). Quais são as principais vertentes do feminismo e porque elas existem. Como o feminismo se une à agroecologia e porque tal perspectiva é fundamental para que a agroecologia realmente se materialize como projeto político de organização social (falar da mobilização coletiva e política das mulheres). Apresentar as principais vertentes feministas que estão dentro da agroecologia e o motivo de suas existências, trazendo como elementos para o debate as questões relacionadas ao produzir, colher, processar, alimentar e nutrir.

 

7) Compreender a relação entre a constituição da população brasileira com a existência de comunidades afro-diaspórica e problematizar questões referentes a essas comunidades e as políticas territoriais ao longo do tempo histórico a partir dos aspectos sociais, culturais e alimentares.

 

Programa

 

ENCONTRO 1

 

Tema Central:

Introdução as questões gênero, feminismos e agroecologia. Mística: Poema ou vídeo musical. 
Dinâmica dos cartazes. 
Material necessário: folha A4 e caneta 


A dinâmica consiste em comparar as respostas ofertadas por homens e mulheres para temas vinculados à questão de gênero.
Após a realização das perguntas, o coletivo terá 3 minutos para respondê-las e mostrá-las para a câmera. Os homens mostrarão suas respostas primeiro e depois as mulheres exibirão seus cartazes. As respostas serão utilizadas para nortear o diálogo que ocorrerá nos momentos posteriores. 


Perguntas: 

 

a) Considerando seu gênero na sociedade, você tem medo do que?

 

b) Considerando seu gênero na sociedade, o que você deixou de fazer?

 

c) Considerando seu gênero na sociedade, o que é feminismo pra você?


Explanação teórica:


O que é gênero? Qual o impacto das desigualdades de gênero na sociedade: Patriarcado, machismos e a sociedade androcêntrica? Interseccionalidade na opressão: indissociabilidade das questões de classe, raça e gênero. Agroecologia e feminismo: Sem feminismos não há agroecologia?

 

ENCONTRO 2

 

Tema Central:

Agroecologia antirracista

 

O que é racismo e antirracismo? O que se entende por Ancestralidades? Centralidade das mulheres negras na construção da Agroecologia. Agroecologia, Bem Viver: o resgate da ancestralidade é uma questão feminista e antirracista.

 

ENCONTROS 3 e 4

 

Tema Central:
 

Agroecologia que alimenta e nutre sistemas alimentares sustentáveis e saudáveis. Compreender os sistemas alimentares e como estes podem impactar na vida das mulheres. Debater as dimensões da agroecologia e sobre como ela materializa transformações nos territórios. Debater os aspectos relacionados ao ato de se alimentar e alimentar aos demais de forma crítica, problematizadora e propositiva. 

 

 

 

 

Bibliografia básica

 

 

 

ALMEIDA, Mariléia de. Devir Quilombola: antirracismo e feminismo comunitário nas prática de mulheres quilombolas.

Disponível: 
https://drive.google.com/file/d/1JASHkrxsurOjLQ3w4OQbOOOcOBrZCTT-/view?usp=sharing 

acessado em: 30/05/2021 

ALMEIDA, Mariléia de. Territórios de Afetos: práticas femininas antirrracistas nos quilombos contemporâneos do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado-IFCH Unicamp, 2018

Disponível:

https://drive.google.com/file/d/1JASHkrxsurOjLQ3w4OQbOOOcOBrZCTT-/view?usp=sharing

acessado em:30/05/2021  

BEZERRA, Islandia; DE PAULA, Natalia F. SISTEMAS ALIMENTARES SUSTENTÁVEIS E SAUDÁVEIS: DIÁLOGOS E CONVERGÊNCIAS POSSÍVEIS. Revista Faz Ciência. v.23, p.12 - 33, 2021. BEZERRA, Islandia; SEABRA, Larissa Mont’Alverne Jucá. “É LEGAL! MAS TAMBÉM É IMORAL E AINDA FAZ MAL: o caso dos milhões gastos em produtos ultraprocessados nocivos à saúde e ao ambiente” 29 DE JANEIRO DE 2021.

Disponível em:

https://aba-agroecologia.org.br/e-legal-mas-tambem-e-imoral-e-ainda-faz-mal/   

BUTLER, J. (2009). Desdiagnosticando o gênero. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Disponível:

https://www.scielosp.org/article/physis/2009.v19n1/95-126/pt/

Acessado em:30/05/2021. 

MOTTA, Vivian Delfino. Por uma Agroecologia Antirracista.  Cadernos de Agroecologia-Anais do IIICIFA, 2019 (2019). 

Disponível:

http://cadernos.abaagroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/6396

Acessado:30/05/2021. 


 

 

 

Professoras 

 

 

Vivian Delfino Motta

 

Doutoranda em Ciências Sociais pela PPGCS- IFCH/ Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP. Graduada em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa-UFV (2000). Especialização em Políticas Públicas pela Universidade Católica Dom Bosco, pós graduação Epistemologia del Sur y los saberes nacidos en las luchas-CLACSO/ Universidade de Coimbra, Sou  Diplomada pelo Diplomado  Internacional en Agroecología para la Sustentabilidad- Universidad Autonoma de Querétero e Universidad Veracruzana Intercultural ambas localizadas no México, também possuo certificação em Estudos Afrolatinoamericanos pela Harvard University.  Conclui o mestrado em Agroecologia e Desenvolvimento Rural - UFSCar/Araras em 2015.  Em 2017, o projeto Agroecologia e feminismos: empoderamento ds mulheres camponesas da Mata Sul Pernambucana, coordenado por mim foi certificado pelo Prêmio Juliana Santilli – ISA. Em 2021 meu artigo Saber, Sentir e Pensar: o quilombola e a griô foi valorizado com menção honrosa comitê academico ALARI- Harvard University. No âmbito da militância, coordeno o Grupo de Trabalho Mulheres da Associação Brasileira de Agroecologia- ABA. integro a Alianza de Mujeres en Agroecología-AMA AWA, Grupo de trabalho em Agroecologia Política-CLACSO, o Coletivo Negro Dragão do Mar e o Núcleo de Estudos Afro-brasileiro e indígena-NEABI/IFSP.  Desde 2010 sou professora do Instituto Federal de São Paulo- Campus São Roque onde desenvolvo pesquisa-ação na linha: agroecologia, feminismos e questões étnico-raciais. No período de 2006 a 20013 me mantive afastada da vida acadêmica para dedicar-me a maternidade.

 

 

Estudiante de Doctorado en Ciencias Sociales en PPGCS-IFCH / Universidad Estatal de Campinas-UNICAMP. Licenciada en Agronomía por la Universidad Federal de Viçosa-UFV (2000). Especialización en Políticas Públicas de la Universidad Católica Dom Bosco, postgrado en Epistemología del Sur y conocimiento nacido en las luchas-CLACSO / Universidad de Coimbra, soy Diplomado por el Diplomado Internacional en Agroecología para la Sustentabilidad- Universidad Autónoma de Querétero y Universidad Veracruzana Intercultural, ambas ubicadas en México, también estoy certificada en Estudios Afrolatinoamericanos por la Universidad de Harvard. Realiza la maestría en Agroecología y Desarrollo Rural - UFSCar / Araras en 2015. En 2017, el proyecto Agroecología y feminismos: empoderamiento de la mujer rural en Mata Sul Pernambucana, coordinado por mí, fue certificado por el Premio Juliana Santilli - ISA. En 2021 mi artículo Sabre, Sentir e Pensar: el quilombola y el griô fue valorado con una mención de honor por parte del comité académico ALARI-Harvard University.

 

Islandia Bezerra

 

Potiguara. Mulher. Mãe. Extensionista, Pesquisadora e Professora Associada da Faculdade de Nutrição/FANUT da Universidade Federal de Alagoas/UFAL. Atua como Educadora colaboradora na Escola Latino Americana de Agroecologia/ELAA. Nutricionista graduada em 2003 pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN. Possui especialização em Saúde Coletiva (2004). Mestrado e Doutorado (2010) em Ciências Sociais/PPGCS-UFRN. Pós-doutorado em Ciências e Desenvolvimento Regional na Universidade Autónoma de Chapingo/UACh - México (2013). É membra da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional/RPSSAN (sócia fundadora - 2016). Membra do GT de Agroecología Política CLACSO 2019-2022. Atualmente é Presidenta da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA) e também recém eleita para atuar no Colegiado da FANUT/UFAL. 

Potiguara. Mujeres. Madre Extensionista, Investigadora y Profesora Asociada de la Facultad de Nutrición / FANUT de la Universidad Federal de Alagoas / UFAL. Trabaja como educadora colaboradora en la Escuela Latinoamericana de Agroecología / ELAA. Nutricionista egresado en 2003 de la Universidad Federal de Rio Grande do Norte / UFRN. Especialización en Salud Pública (2004). Maestría y Doctorado (2010) en Ciencias Sociales / PPGCS-UFRN. Postdoctorado en Ciencia y Desarrollo Regional en la Universidad Autónoma de Chapingo / UACh - México (2013). Es miembro de la Red Brasileña de Investigación en Soberanía y Seguridad Alimentaria y Nutricional / RPSSAN (socia fundadora - 2016). Miembro del CLACSO Policy Agroecology WG 2019-2022. Actualmente es Presidenta de la Asociación Brasileña de Agroecología (ABA) y también recientemente fue elegida para trabajar en la Junta Directiva de FANUT / UFAL.

 

 

 

 

 

Valor
Estudantes de graduação: R$30,00
Estudantes de pós-graduação: R$90,00
Profissionais: R$180,00