Dinâmicas Alimentares
no Campo

 

 

 Professora 

 

 

Drª Romilda de Souza Lima

 

Atua no Ensino, Pesquisa e Extensão na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Francisco Beltrão.

Doutora em Extensão Rural - Área de Concentração: Cultura, Processos Sociais e Conhecimento - Universidade Federal de Viçosa. Mestre e Bacharel pela mesma instituição. Professora adjunta da Universidade Estadual do Oeste do Paraná e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável, na mesma instituição. Pesquisadora Associada da Rede NAUS - Rede Ibero Americana de Pesquisa Qualitativa em Alimentação e Sociedade. Membro da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional - RBPSSAN. Membro da Rede Latino-Americana de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Pesquisadora do GEPSA (Grupo de Estudo e Pesquisa em Segurança Alimentar) e do DERU (Grupo de Pesquisa em Desenvolvimento Rural). Membro da Rede de Estudos Rurais. Orienta no Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável. Orienta estudantes de graduação em iniciação científica e em trabalho de conclusão de curso. Atua em Extensão Universitária, Extensão e Desenvolvimento Rural. Áreas de ensino, pesquisa e extensão: Segurança alimentar com ênfase em antropologia, sociologia e história da alimentação e em alimentação e cultura; Desenvolvimento rural, com ênfase em cultura e práticas alimentares no contexto rural, sociologia e antropologia rural, e, em análise de programas e projetos de desenvolvimento rural. Membro titular da Comissão Regional de Segurança Alimentar e Nutricional do Sudoeste do Paraná - CORESAN.

 

 

  Ementa  

 

As mudanças pelas quais passa o consumo alimentar se dão de forma mais efetiva na cidade, mas embora no campo, entre os moradores rurais, as alterações estejam ocorrendo mais lentamente, elas têm sido percebidas e registradas em alguns estudos. Por que isso ocorre? Quais os limites no consumo alimentar que separam os habitantes do campo e os da cidade? Quais, e como têm sido, as dinâmicas de transformação? Como o padrão alimentar contemporâneo incide sobre as famílias rurais no que se refere aos hábitos alimentares e aos aspectos de comensalidade?

 

 Conteúdo 

 

Obs. A condução terá como referência a pesquisa de doutorado concluída em 2015, e em pesquisa livre em andamento.

 

- Práticas alimentares na contemporaneidade: entre o tradicional e o moderno;

- Modernidade e tradição no contexto alimentar rural contemporâneo;

- Cultura e práticas alimentares no sistema familiar rural: relações com a comida, permanências e mudanças;

 

- Comida “forte” e comida “fraca: contradições, mudanças e permanências

 

- Comida de todo dia, comida de festa e as relações de comensalidade;

 

- Mescla cultural: práticas de consumo alimentar de ontem e de hoje;

 

 Objetivos 

 

Discutir e refletir sobre os impactos das mudanças nas práticas alimentares contemporâneas nas famílias rurais, e compreender como as famílias estão lidando com isso.

 

 Bibliografia básica 

 

Brandão, C. R. Plantar, colher e comer: um estudo sobre o campesinato goiano. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1981. 181 p. 

 

Cascudo, L.C.  História da alimentação no Brasil. São Paulo: Global, 2004. 

Cândido, A.. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e as transformações dos seus meios de vida. 6.ed. Rio de Janeiro: Duas Cidades, 1982. 284 p.

Carneiro, MJ. (Coord.). Ruralidades contemporâneas: modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2012. 268 p.

Carneiro, MJ. Identidades sociais: ruralidades no Brasil contemporâneo. Apresentação. In: MOREIRA, Roberto José; Carneiro, MJ et al. (Orgs). Identidades sociais: ruralidades no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 7-14. 

Contreras, J.; Gracia, M.. Alimentação, sociedade e cultura. Tradução: Mayra Fonseca e Barbara Atie Guidalli. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011. 495 p. 

García, J. L. Antropologia de la alimentación: perspectivas, desorientación contemporânea y agenda de futuro. In: Aranda, A. G. Comida y cultura: nuevos estúdios de cultura alimentaria. Córdoba: Universidad de Córdoba, 2009. p. 25-61. 

Giard, L. “Cozinhar”. In: Certeau, M., et al. (Orgs.). A invenção do cotidiano II: morar, cozinhar. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 210-331.

Lima, RS. Cultura alimentar no contexto do sistema familiar rural contemporâneo na Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, v. 25, n. 3 (outubro de 2017 a janeiro de 2018). DOI: 10.36920/esa-v25n3-2

Lima, RS., Ferreira Neto, JA., Farias, RCP. Dinâmicas alimentares na relação rural-urbano: o caminho entre o tradicional e o moderno. In: PRADO, SD., et al. orgs. Estudos socioculturais em alimentação e saúde: saberes em rede. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016. Sabor metrópole series, vol. 5, pp. 59-79. DOI: 10.7476/9788575114568.0004

Lima, RS, Neto, JAF., Farias, RCP. Food and culture: the exercise of commensality. Demetra, 2015;10(3); 507-522. DOI: 10.12957/demetra.2015.16072 (versão em inglês e português).

Lima, RS. Práticas alimentares e sociabilidades em famílias rurais da zona da mata mineira: mudanças e permanências. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa: 2015.

 

Menasche, R. (Org.). A agricultura familiar à mesa: saberes e práticas da alimentação no Vale do Taquari. Porto Alegre: UFRGS, 2007. 199 p. 

Poulain, JP. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Tradução: Rossana Pacheco da Costa Proença e Carmen Silvia Rial. Florianópolis: UFSC, 2013. 285 p.

 

 

 

 Certificado 


O aluno que preencher satisfatoriamente os quesitos frequência e aproveitamento terá direito a certificado.

 

 
 Valor 
 
R$ 50,00